O chamado

Nunca foi fácil ouvir a mensagem da fé. Em nossos dias, estamos geralmente tão ocupados com problemas da existência terrena que simplesmente não temos tempos para ouvir a essa mensagem e refletir sobre Deus. Para alguns, a religião reduziu-se a celebrar o Natal e a Páscoa, e observar uns poucos costumes por medo de ser 'afastado de suas raízes'. Outros não vão à igreja de modo algum porque estão 'muito ocupados'. 'Ele estão focado em seu trabalho', 'trabalho é tudo para ele', 'ele é um homem ocupado'. Esses são alguns dos melhores cumprimentos que alguém pode receber de amigos e colegas. 'Pessoas ocupadas' são um tipo peculiar aos tempos modernos. Nada existe para elas além da preocupação de engole-os completamente, não deixando lugar ao silêncio no qual pode-se ouvir a voz de Deus.

Entretanto, por mais paradoxal que pareça, apesar do barulho e confusão de hoje, ainda é possível ouvir o misterioso chamado de Deus em nossos corações. Esse chamado pode nem sempre ser percebido como a voz de Deus. Pode surpreender-nos como um sentimento de insatisfação ou cansaço interior, ou como o começo de uma busca. Para muitos, é apenas após a passagem dos anos que entendem como suas vidas foram incompletas e inadequadas sem Deus. 'Fizeste-nos para ti, Senhor', diz Santo Agostinho, 'e o nosso coração está inquieto enquanto não repousar em ti'. Sem Deus nunca poderá haver plenitude de ser. Portanto, é crucial para nós sermos capazes de ouvir e responder à voz de Deus no momento mesmo em que Deus fala, e não anos depois. Se alguém identifica e responde ao chamado de Deus, isso poderá mudar e transfigurar toda sua vida.